Education

1978- 1988  Lycée Français Charles Lepierre de Lisbonne, Lisbon, Portugal.

1989-1990  Self-taught photographer; street photography, portraiture and full darkroom practice.

1990-1991  Ar.Co- Centro de Arte e Comunicação Visual ; Photography, Drawing, Painting, History of art (Year 1).

1991-1994  Media and Communications Degree Award- BA Honours Photography, London College of Printing/ London College of Communication, University of the Arts London, Uk. 

 

Solo Exhibitions

1990, Sara Anahory - Slide Show, Museu do Teatro, Lisboa, Portugal.

1997 Ninguém Sai Até Se Encontrar A Vítima 1997, Galeria Assírio e Alvim (catalogue), Lisbon, Portugal. 

1998 Vacances 1997, London College of Printing Gallery, Farringdon Building, University of the Arts, London, UK.

2000 Retratos de Mulheres / Portraits of Women 1998-2000 and Animal #3; Centro de Arte Moderna/CAM; Fundação Calouste Gulbenkian (catalogue), Lisbon, Portugal.

2005 Sarah Anahory; Fotografia e Desenho 1992/2005, Casa dos Dias de Água, Lisboa.

 

Selected Group Shows & Screenings

1994  BA Honours Photography Degree Show, London College of Printing/University of the Arts London, UK.

1995 Variante à Estrada Nacional n1, CENTA, curated by Francisco Vaz Fernandes, Niza, Portugal.

        Forum for Independent Film-Makers, Metro Cinema, London, UK.

        Lisboa Fora D´Horas, Lisbon, Portugal.

1996 Mostra de Video Contemporâneo Português, Videoteca Municipal de Lisboa, Lisbon, Portugal.

        Zapping Ecstasy, CAPC, Coimbra, Portugal.

1997 Bienal da Maia, Porto.

        Bandits-Mages, Bourges, France.

       Mostra de Video Independents i Fenomens Interactius, Barcelona.

1998  ARCO, Galeria 1991 - João Graça, Madrid.Spain.

1999  Bienal da Maia, Porto.

       ARCO, Galeria Presença, Porto.

2000  Concerto Improvisado (performance), NonStopOpeningLisboa, Galeria Zé dos Bois, Lisboa, Portugal.

2001  Streetwear, Galeria da Mitra, Lisboa; curated by Francisco Vaz Fernandes.

          Uncertain Signs-True Stories, Badischer Kunstverein, Karlsruhe, Germany.

2003  Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, PrinzMaxPalais, Karlsruhe, Germany.

2004 Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Goethe Institut Casablanca, Marocco.

        Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Goethe Institut Rabat, Marocco.

        Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Rathausgalerie Aalen, Germany.

2005 Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Frauenmuseum Wiesbaden, Germany.

2006 Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Goethe Institut Kairo, Egypt.

2007 Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, City Gallery Klagenfurt , Austria.

        Women from Orient-Women from Occident/ Frauen im Orient– Frauen im Okzident, Castle of Saarbrücken, Citycastle    Fulda, Germany. 

2011 Colecção de Arte Contemporânea Portugal Telecom, com Jorge Molder, Alberto Carneiro, Eduardo Batalha entre outros, Espaço Cultural da Moagem, Fundão, Castelo Branco, Portugal.

2012 Colecção de Arte Contemporânea Portugal Telecom, com Paula Rego, Lurdes Castro, Helena Almeida, António Palolo entre outros, Museu Municipal de Tavira, Palácio da Galeria, Tavira, Portugal.

2019   11 Mulheres Artistas, Colecção de Arte Contemporânea Fundação Altice Portugal, Taguspark, Núcleo Central, Oeiras, Portugal.

2021   4/24 – Fotografia da Coleção  de Arte Contemporânea da Fundação Altice - Quinta da Cruz, Centro de Arte Contemporânea de Viseu, Portugal.

 

Work, Experience, Workshops, Residencies

1989  Autodidact photographic practice / Lab and workshops with Álvaro Rosendo, Galeria Monumental, Lisbon.

1989/91  Writes and photographs occasionally for O Independente newspaper, under the direction of Miguel Esteves Cardoso.

1995  Interractive Media Workshop by Jonathan Jones-Morris, Tessa Elliot, Camerawork Gallery, London, UK.

        Screenwriting Workshop by Paul Buchanan, Screenwriters Workshop, London, Uk.

1996  Academia de Verão para Artistas Visuais, Companhia do Triângulo, Arrábida, Portugal.

1997  Representaciones de lo Real, Arteleku, by Manel Clot, San Sebastian, Basque Country.

1998/99  Promotion photography for Companhia Nacional de Bailado 1998/1999 (national ballet company); posters, flyers, booklets.

            Bookcover- A Bela Adormecida (limited edition) by Agustina Bessa Luis, Companhia Nacional de Bailado (edition).

            Photography for the rock band Mão Morta, Há Muito Tempo que Nesta latrina o Ar se Tornou Irrespirável, album backcover and promotion photos.

Video production with Mariana Otero for concert  Há Muito Tempo que Nesta latrina o Ar se Tornou Irrespirável, Poço do Bispo, Lisboa, Portugal.

2000/01  Résidence d´Artistes, Cité Internationale des Arts, Paris, France.

2002/03  Artiste en Résidence, Mains D´Oeuvres, Paris, France.

                W.Swear 2.0 is played on Radio Seppuku, Radio Libertaire, Paris, France.

2003/05  Self-appointed research; travelling in France and Spain. Visits several off-grid and sustainable projects in France, Catalunya and Galicia. Moves to Galicia.

2007/08  Visits Findhorn in Scotland for Neale Donald Walschs´ retreat.

              Moves to Edinburgh and becomes interested in social entrepreneurship.

              Facilitates The Pigment Freedom Workshop - Anahorys´ own method developed to capacitate others for conscious healing and self-worth through drawing; Edinburgh, Scotland.

        The Pigment Freedom Workshop, art workshop facilitated to children Ladyfest, North Edinburgh Arts Centre, Edinburgh.

2008/09  Creation of Grand Wolf media company in Edinburgh. Falling ill. Company ends and The Pigment Freedom Workshop is cancelled.

            Produces work in automatic drawing and painting.

            Robbery by "man with a van" - a removal service in Edinburgh. All belongings stolen and impossible to recover according to Edinburgh police.

20I0 Intensely creative phase recovering from near-death experience. Travels to Sweden, Denmark and Finland. 

2012/2017   Develops work in drawing, painting and photography and writes poetry (some published online on social media, most unreleased).

2015  Poesia no Feminino, own poetry reading with Rita Burmester Moreira, Claudia Lucas Chéu, Maria João Neves, Cristina Milho, Margarida Barata, amongst others, Mob Associação, Lisbon.

2017  Moves to the countryside North of Lisbon.

2017/21  Draws, photographs, writes. Nature contextualises the work.

2021  The Pigment Freedom Workshop - Arte Intensiva / Intensive Art Sessions; facilitation of art workshop to adults, Quinta Japonesa, Carvalhal Benfeito, Caldas da Rainha, Portugal.

          

 

Art Collections

University of the Arts London (London College of Printing/The London Institute/University of the Arts);

Several private art collections in Portugal such as Vitor Pinto da Fonsecas´ art collection; Maria da Graça Carmona e Costas´ art collection; José Mário Brandãos´ art collection and others.

Private art collections in Finland and Spain; Karen Knorr Art Collection (London).

Public art collections; Fundação Altice/Colecção de Arte Contemporânea; Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid;

https://www.museoreinasofia.es/coleccion

 

 

Selected Press & Publications

Mentioned in several photography and contemporary art publications in Portugal and abroad;

Artes e Leilões, Camera Austria International, amongst others. Alexandre Pomar, Francisco Vaz Fernandes, Alexandre Melo, Fernanda Maio, Jorge Molder, and others have written about her work in catalogues, press, books, specialist publications and thesis;

Camera Austria International #49, Forum, Austria, 1994.

Allegorien der Weiblichkeit, (Livraria Assírio e Alvim exhibition and catalogue, Lisbon), Camera Austria International # 64, by Magdalena Felice; Austria, 1998.

Camera Austria International, #79, Forum; Austria, 2002.

 António José de Brito Costa Barrocas, in “Ecce Homo e Narciso – Representação e Auto-representação na Arte Contemporânea ou a Génese de Uma Imagem”; Lisbon, 2002.

Art Les, Queer i Trans”, in “Cultures Lesbiques a la Catalunya del Tombant de Siegle XX-XXI", Elina Norandi (Universitat de Barcelona); Noemí Acedo Alonso (col.), Jéssica Faciabén Lago (col.), Aina Pérez Fontdevila (col.), 2011, ISBN 978-84-9788-472-3, págs. 173-182; Catalunya / Spain.

Os Curadores em Exposição- Um Grupo Profissional no Mundo da Arte Contemporânea; Ana Luisa Ferreira Braga Especial; ISCTE-IUL, Instituto Universitário de Lisboa; Doutoramento Sociologia / PhD Sociology - tutored by Professor Alexandre Melo; 2012, Lisbon, Portugal.

(...)

 

 

​Selected links, news and articles

Retratos de Mulheres 1998-2000; Fundação Calouste Gulbenkian / Centro de Arte Moderna Azeredo Perdigão;

https://bit.ly/3w3xXn2

Uncertain Signs, True Stories; Badischer Kunstverein, Karlsruhe, Germany;

http://www.badischer-kunstverein.de/index.php?Direction=Programm&list=Ausstellungen&Jahr=2002&Detail=258

 

Retratos de Mulheres 1998-2000/ Portraits of Women 1998-2000;

https://www.wochenanzeiger.de/article/41326.html

 

Coleção de Arte Contemporâea Fundação Altice;

https://bit.ly/2T7tAJj

Processo criativo & Workshops / Creative process & Workshops

 

Interview in portuguese; Seixal- Lisbon, Portugal; 2017.

https://youtu.be/vD2yFvcRrx0 

Promotion pieces & Performance art - The Pigment Freedom Workshop- Intensive Art Sessions; Youtube, 2021.

https://www.youtube.com/channel/UCRRIG9KxSw1AYp-0-Cbfcqg

O Fruto Proibido

Vanessa rato

Maria, Fernanda ou Rita. Uma noiva, uma virgem ou uma galerista. Mulheres que Sara Anahory encarnou para simultaneamente (se) fotografar. Um mundo no feminino.

Com a exposição "Retratos de Mulheres" (Sala de Exposições Temporárias do CAM/ACARTE até 27 de Agosto) Sara Anahory diz-se a fazer "o impensável, o mais difícil". Sente-se a entrar por um território proibido. Um mundo em que as pessoas vestem e despem roupas como se fossem uma segunda pele, vestidas por cima da primeira, que as transforma noutras: o teatro. Imagina-se a invadir um mundo que lhe foi, à partida, vedado. Uma mãe actriz (Graça Lobo) apresentou-lhe as dificuldades, encorajou-a a fazer tudo "menos aquilo" e por isso - sem se perguntar seriamente porquê - Sara Anahory seguiu outros caminhos. O da fotografia, como forma de expressão artistica. Mas, já se sabe, o fruto proibido é também o mais apetecido. E é através da fotografia que agora se revela o evidente fascínio de vestir e despir personagens, em 15 imagens de cores berrantes e fórmulas retratistas.Primeiro Maria. Cabeleira negra, extravagante, e roupas metalizadas a espalhar reflexos e brilhos numa cara de expressão meio tímida frente à objectiva que a captou perto do rio, contra um navio, branco, laranja, azul, linhas rectas, limpas. Depois Fernanda. Mulher austera e afirmativa, sobriedade de negros e cinzas contra uma parede ocre, contrastante, suavizante. Margarida. Unhas vermelhas e anéis dourados contra o indispensável fundo de leopardo. E Yvonne. Imigrante de visita à Expo. Ou Paula. Noiva abandonada em Sarilhos Grandes, onde todas se casam. Mulheres. Que são todas a mesma: Sara Anahory. A artista em metamorfose é o fio condutor. Pouco mais têm em comum estas personagens. Não há uma história que as una. São momentos de vidas que caricaturam essências. Que soam a falso, a displicente, mas pensada, construção. "A mulher vive com a noção do espelho mas, depois, prepara-se também para um olhar de fora", diz Sara Anahory. E essa certeza revela-se no seu trabalho. Nos cenários escolhidos, particulares, nas roupas vestidas, pouco vulgares, nas poses, forçadas. É incontornável que em "Retratos de Mulheres" se revele também uma grande influência. "Assumo perfeitamente que fui influenciada por Cindy Sherman. Aliás, ela descobriu o método, foi a pioneira: eu pego na câmara, eu visto-me, eu enquandro e eu fotografo-me", explica Anahory - apesar de terem havido outros "pioneiros", que depois recorda, Claude Cahun, por exemplo. "Nas artes plásticas não é como na música. Se eu for trompetista e tiver influências do Miles Davies bastante claras, e se disser que sou influenciada, estou a prestar um tributo, a prestar uma homenagem, e isso é bem visto. Nas artes plásticas [o mesmo] pode ser mal visto", acrescenta.Houve portanto receio inicial. "Eu própria tinha noção de que estava a fazer um trabalho que já tinha sido feito, sabia que estava a mexer com notas que já tinham sido tocadas", confessa. "Estou consciente de que é um terreno perigoso, há o preconceito e a comparação. Mas não estou a utilizar fórmulas, estou a utilizar métodos". Os resultados, diz, são distintos. "O meu trabalho tem um estilo próprio, tem sentido de humor, é muito virado para fora, é mais abrangente, é mais generoso. Sinto que o dela [Cindy Sherman] é mais dorido, de alguma forma. É mais virado para dentro. Ela é mais minuciosa, na forma como trabalha as personagens e as apresenta. Vai até ao último detalhe". Sara Anahory afirma, pelo contrário, aceitar o erro. "Assumo (desejo e provoco) o inexacto". Assume com facilidade o facto de não existir, por exemplo, um trabalho exaustivo ao nível da caracterização. Ou o facto de, aparentemente de forma aleatória, se vislumbrar em algumas imagens a presença, na mão desta ou daquela mulher, de um disparador à distância, com o fio a estender-se pelo chão até à máquina fotográfica, fora do plano, dispositivo que noutras imagens desaparece, porque elas foram tiradas por alguém, um amigo. "Seria um 'statement', uma afirmação que não me interessa muito, assumir sempre o dispositivo ou retirá-lo. O trabalho tem um lado de erro que assumo muito bem. Agora vê-se, agora não se vê, agora vê-se muito bem, agora não é preciso ver-se, agora é indiferente. Há coisas que gosto de deixar inacabadas, há imagens que não têm que ser explicadas, que não têm que ser justificadas - porque senão é uma chatice".E as diferenças continuam: no trabalho de Cindy Sherman existem os Estados Unidos. "É uma coisa americana; aqui há uma imagem de aldeola. E são persoangens reais". Porque enquanto Sherman trabalha personagens imaginadas de "film-stills" imaginários, Sara Anahory fotografa aquilo que afirma ver, todos os dias. "E dá-me gozo, faz-me rir, e faz-me aproximar delas e ao mesmo tempo distanciar-me. Faz-me aproximar-me e distanciar-me de coisas em mim que se calhar eu nunca manifestei nem sei que cá estão. É uma forma de desafiar algumas coisa que são nossas, que temos porque somos mulheres e que são comuns a todas as mulheres".

Vanessa Rato in jornal O Público, 30 Junho de 2000

(Em construção - mais em breve!)